Os press kits para as gravadoras As gravadoras já foram os principais clientes da Tátil. A demanda era grande e diversa, envolvia a idealização e a confecção de projetos gráficos de CDs a press kits. Os briefings eram incríveis: cada vez, era preciso pensar em maneiras de despertar a atenção dos jornalistas e formadores de opinião para lançar novos trabalhos de artistas, como Marisa Monte, Milton Nascimento, Chico Buarque e Caetano Veloso. Houve uma época interessante e diversa em que geramos ideias para criar um bloquinho de sedas para o Planet Hemp e, ao mesmo tempo, fazer o lançamento do CD do Papa. Entre as embalagens de maior destaque, criamos a famosa “Lata” do Paralamas do Sucesso, um trabalho realizado em parceria com o Gringo Cardia. Fizemos também o oratório do Milton Nascimento: uma caixa de papelão inspirada na forma e na decoração dos oratórios do barroco mineiro.   O Polibutton O ano era 1989, e Fernando Gabeira concorria à Presidência da República. O briefing: desenvolver o botton da campanha do então candidato. Entendemos que a causa ecológica não deveria ser vivida e expressada da mesma forma por todo mundo, e que aquela era uma ocasião especialmente simbólica. Ao invés de um pin normal, criamos uma caixinha de papelão micro-ondulado, contendo carrapichos. O principal: quando se abraçava alguém, uma parte do carrapicho ia parar na outra pessoa. Espalhava-se a ideia e, ao mesmo tempo, a própria semente. Por conta da dificuldade de se colher carrapichos, a ideia não foi produzida, mas rendeu ótimos frutos: em 1992, fomos contratados pela Body Shop para passar um mês em Londres desenhando embalagens e soluções de ponto de venda para a Anita Robbin, com quem a equipe colheu importantes aprendizados.  ]]>